Que passe longe daqui qualquer cartilha de “pode” “não pode” das modas.

Quer dizer: a única coisa que não pode é você se sentir desconfortavelmente outra pessoa que não você mesma(o) dentro de um look (isso é mandatório, tá?!) fora isso, tá tudo liberado!

Moda é brincadeira de expressividade no final das contas, não é mesmo?

E, assim como qualquer área de comunicação (porque a roupa que a gente escolhe pra sair de casa tá passando uma mensagem pra galera quer você queira ou não) a gente precisa de referência e de inspiração – até pra sentir o que a gente gosta, o que combina com a gente dentro das propostas do mercado, o que cabe no nosso bolso, o que agrada o olhar da nossa estética e por aí vai…

Sendo assim, repara só nesses look com “brusinha” que gracinha, como diria nossa amada, salve salve (saudades, RIP) Hebe Camargo:

A calça pantacourt é bem uma pegada anos 1970 <3

Conhecida fora do Brasil como ‘culottes’, nome mais adequado para entender a história da peça, bien sûr — quem aí se lembre do termo ‘sans-culottes’, lá da Revolução Francesa, nas aulas de história?! Este estilo de calça era usado pela aristocracia européia no final do século XVI e, durante a revolução, aqueles que se opunham ao sistema aristocrático vestiam calças compridas e ficaram conhecidos como ‘sans-culottes’. Daí o nome…

Bom, passados alguns séculos desta revolução, a pantacourt apareceu relacionada aos princípios de outra luta: o feminismo. Até o início do século XX, o vestuário feminino era composto por saias e vestidos longos que arrastavam no chão, o que limitava consideravelmente os movimentos e impedia que as mulheres participassem, por exemplo, de atividades físicas.

No fim da década de 1920 e início de 1930, os estilistas começaram a brincar com a peça para mulheres, como se fosse uma “saia dividida”. A italiana Elsa Schiaparelli foi uma das principais a encabeçar o movimento e, é claro, a causar polêmica ao usar a pantacourt:

Elsa (não a do Frozen, rsrs) à direita toda musa plena de pantacourt na década de 1930

Quer mais referência?! Se des-vista de preconceito e vem com a gente:

Só vimos lindezas!

Ah, sim <utilidade pública pra quem é curioso>

As diferenças nas barras:

Cigarrete, capri, pantacourt, cropped, new pantacourt… Todas são curtas e as diferenças entre elas é bem sutil.

+ cigarrete e capri são praticamente sinônimos, com corte mais seco e reto e a barra um pouco acima do ossinho do tornozelo. A principal distinção entre elas é que a capri, geralmente, está associada ao verão e por isso costuma ser fabricada em tecidos mais leves. A calça cropped é como uma pantacourt, mas também um pouco mais seca. Já a new pantacourt (com modelagem um pouco mais seca e boca mais larga que a pantacourt, quase como uma calça flare curta,) aparece em tecidos mais pesados e com cara de jeans.

 

>>