#donasdarua

Não sei vocês, mas uma das primeiras mulheres a inspirar a gente (a sermos cada vez mais nós mesmas, claro) nasceu ali no bairro do Limoeiro e no coração da nossa imaginação:

monica-donasdarua

Curiosidade: no começo, a Turminha era formada só de meninos, até que começaram a perguntar para o Mauricio: “Cadê as meninas?”. Na época, o desenhista achava que não saberia falar de mulheres, porque conhecia mais o universo dos garotos. Foi aí que ele começou a olhar em volta e viu que poderia se inspirar nas filhas.

Em 1963, Mauricio criou sua primeira personagem feminina, a Mônica. Ela estreou na tirinha do Cebolinha e desequilibrou o jogo. Eram os anos 1960, uma época em que as mulheres começavam a ganhar mais espaço:

monica-donasdarua

Mônica é cheia de personalidade, não leva desaforo pra casa e, nem por isso é menos doce e gentil, amiga pra todas as horas e uma romântica incurável. Prova de que as meninas fortes de hoje serão as mulheres incríveis do amanhã: lindamente contraditórias, pra dizer o mínimo do máximo de cada uma delas.

donasdarua-turma-da-monica-os-10-fundamentos

E aí que a Maurício de Souza Produções em parceria com ONU Mulheres, a Entidade das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero e o Empoderamento das Mulheres vai produzir e agregar conteúdos que contarão histórias de meninas e mulheres que são Donas da Rua.

E, pra começar esse material, ninguém menos que a própria Mônica, a filha que inspirou a personagem:

No site do projeto dá pra ler sobre a história de outras meninas e mulheres, conhecer as Donas da Rua do Limoeiro e as #donasdarua da História – que começou apresentando Ada Lovelace, a primeira programadora da história.

Vale o clique! 

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest