Carrinho 0 x

,
Comentários desativados em Metalinguagem fashion

Metalinguagem fashion

Metalinguagem fashion

Passando agora em Criciúma (polo têxtil nacional), em Santa Catarina, me deparei com um camelô cujo manequim me deixou boquiaberta, pra dizer o mínimo (contém paradoxo): uma camiseta (pluz size) onde a estampa é uma garota (padrão) usando uma camiseta (mais padrão ainda) com a logomarca faslificada da Chanel – lembrando que a grife francesa nunca vendeu e/ou produziu este produto específico. Sim, acompanho os lançamentos da Chanel há mais de uma década e nunca este produto em passarelas nem em campanhas. Se eu estiver errada, por favor, será um prazer ser corrigida.

Aliás, BAFÃO: como marca, já fui notificada pela Chanel por fazer uma brincadeira com a logo, eram os dois “c’s com mistura de humor”, eu ri, eles não.

Pois é! A Chanel me notou. Quem também já me mandou e-mail querendo participação nos lucros da camiseta XL Bündchen foi a irmã da über model (ainda fala assim ou é cringe?), Patricia. Eu respondi: claro, se ela usar! Silêncio na sala. Ela não riu, eu ri.

E todo esse gracejo pra dizer que a metalinguagem fashion dessa T-shirt é pra dizer que a nossa moda a gente inventa, Cazuza, pra se distrair, se enfeitar, se amar, se valorizar… E no final, Coco Chanel, a gente pensa que ela vai existir pra sempre! Bom, você, definitivamente, deixou seu legado.

Que a gente se inspire (mais do que na sua logomarca), mas em suas atitudes, comportamento e visões e que a gente entenda, de uma vez por todas (vem Hamlet!) a questão não é ESTAR ou não ESTAR na moda, é sim SER ou não SER referência de estilo e criatividade. Isso, amor, ninguém faz plágio.

Detalhe: no muro ao lado eu vi esse muro! kkkk

que bagunça

achei simbólico

#forabolsonarogenocida só pra deixar registrado.

Comentários(0)