Uma das coisas que a gente mais se encanta com São Paulo é a efervescência cultural da cidade: arte, música, gastronomia, cinema e, o melhor de tudo, as almas que a gente conhece enquanto está se conhecendo por aí…

Ontem, por exemplo, rolou o Jim Bear History Festival, na Praça Dom Jose Gaspar, no centro da cidade. Várias bandas e deejays se apresentaram por lá, mas o nosso favorito mesmo foi o som suave, daqueles com vocais murmurados e transbordantes, da  Wild Nothing! Banda norte-americana que tocou pela primeira vez em solo tupiniquim e a gente deu a sorte de presenciar! <3

Coloca o fone de ouvido se estiver no escritório ou, se estive sozinha, aumenta o som e vem com a gente:

Primeiro, temos Jack Tatum que é um gatinho e isso já valia a ida ao show, né, mores?! Ele é de Virginia uma cidade de colonização britânica e, por isso, parece que os moços por lá saem todos desse jeitinho: educados, fofos, lordezinhos e apaixonantes:

wild-nothing-press-photo-620-compressed

banda-musica-indie-wild-nothing

Em segundo, temos a música e, que música amigos, que música. Uma mistura de indie rock com pop dream… Assim: coloca no liquidificador Cocteau Twins, The Smiths, salpica um pouco de New Order e temos um baita de um coquetel, suave e embriagante.

É tão suave que até parece música ambiente, sabe?  Mas as letras transbordam tanto amor que a gente tem certeza absoluta que em algum lugar do mundo, existe algum ursinho carinhoso ouvindo Wild Nothing na playlist do trabalho.

Pra quem se interessou, no Spotfy tem o terceiro álbum da banda, o “Life of Pause” mas aqui segue um vídeo pra quem quiser ouvir, ver e sentir durante uma horinha inteira essa loja de doces em forma de música:

Ah, durante o show no festival do Jim Bear History Festival eles ainda gravaram um clipe novo! Ou seja: as vezes a gente até deu um glow na próxima produção da banda em nem sabe… #SonharNãoCustaNada